Itinerários //

Polignano a Mare, meu paraíso!

Texto e fotografias M. Cristina Recchia

 

E de repente eu descobri que precisava descrever Polignano a Mare do meu jeito! Não como turista mas como moradora, como uma pessoa que criou raízes e que foi recebida de braços abertos.

 

 

No dialeto, Polignano é chamada de Peghégnene (pronúncia em português: Peguenhene) , e o seu significado é “lugar eminente” que caracteriza o centro histórico construído sobre uma falésia.

Quando aqui cheguei, em 2003, me perguntava porque os brasileiros não conheciam aquele lugar incrível. A resposta não durou muito tempo para ser compreendida. Quando falamos da Itália, as pessoas pensam logo, e obviamente, em Roma, Milão, Florença, Veneza e fico feliz que esse rótulo esteja perdendo as forças.

Bem, desde que cheguei aqui, a cidade mudou muito! Mas não fisicamente e sim, digamos … que se atualizou com a vida moderna e passou a ser meta turística não somente de turistas da Europa mas do mundo inteiro.

Lembro que na época, haviam somente três hotéis e pouquissímos Bed and Breakfast. Polignano era meta turística de italianos do norte, alemães, austriácos, suíços e franceses. O “bum turístico” começou mesmo a partir de 2005 e de lá para cá, não parou mais.

Seus habitantes são, na grande maioria, camponeses e pescadores, gente que vive da agricultura e da pesca. É engraçado como a troca aqui ainda tem muito valor: “eu te dou uma caixa de tomates e você me dá um peixe”.

Polignano a Mare é também conhecida como “perla dell’Adriatico” (pérola do Adriático) e está localizada no Território de Bari (aqui conhecido como “Terre di Bari”), capital da Puglia. Possui quase 18 mil habitantes e é privilegiada por seus 12 kms de costa com cenários de tirar o fôlego.

O cartão de visitas de Polignano a Mare, é a Ponte de Lama Monachile, que dá vista para “Cala Porto”, uma prainha rochosa abraçada por duas falésias, com um mar cor verde esmeraldo impressionante.

 

 

Em uma das falésias, encontra-se o característico borgo antigo com seus terraços com vista para o mar, suas vielinhas enfeitadas com flores e muitas poesias escritas por Guido “il flâneur”, nome francês que traduzido para o italiano significa “o senhor que vagueia ociosamente pelas ruas da cidade experimentando e sentindo emoções ao observar a paisagem”.

 

 

 

 

 

 

Polignano pode ser para alguns, uma cidade só de passagem ou um lugar ideal para relaxar por alguns dias. Porém não a subestime por ser pequena, depende de você aproveitar tudo o que ela oferece.

Então vamos começar pela enogastronomia? A cidade possui ótimos restaurantes, pizzarias, bares e bistrô para desgustação de aperitivos e vinhos. Minha dica: não deixem de provar o pãozinho com polvo, cruditè di mare, focaccia, panzzerotti, orecchiette (um tipo de massa típica das Terras de Bari) e os docinhos de amendôas.

 

 

Não deixem de provar também o “caffè speciale”, um drink servido quente preparado com café, licor, chantilly e limão siciliano.

E por falar em gastronomia, eu não poderia deixar de mencionar o restaurante mais famoso da Itália, o Grotta Palazzese! Luxuoso hotel com um restaurante peculiar, construído dentro de uma gruta. A sala do restaurante é um grande terraço dentro de um arco rochoso natural formado pelas ações do vento e do mar durante milênios. Na Idade Média, a Grotta Palazzese era também conhecida como a “Grotta del Palazzo” e já no século XVIII era citada na Enciclopédia de Diderot e D’Alembert escrita por grandes intelectuais da época. Supõe-se que séculos passados, grandes banquetes e festas eram organizados na gruta.

 

 

Ao entardecer, Polignano nos presentea com paisagens belissímas e a noite a cidade é muito movimentada. Na praça principal da cidade, os moradores se encontram e muitas crianças aproveitam o espaço para brincar enquanto seus pais jogam conversa fora com os conterrâneos ou comem uma pizza em das pizzarias que lá se encontram. Essa tranquilidade é realmente um privilégio que só uma cidade pequena pode oferecer.

 

 

A costa litorânea de Polignano é formada na grande parte por rochas e grutas. Praias com areia podem ser encontradas ao norte da cidade. A grande presença de rochas nas profundezas facilita a concentração de peixes e, também, é meta de mergulhadores.

 

 

 

Todo ano, a cidade se prepara para receber mergulhadores de diversos países para a competição anual do Red Bull Cliff Diving. O interessante é que uma grande plataforma é montada no terraço de uma casa no centro histórico. Os homens mergulham de uma altura de 27 metros e as mulheres, de 21 metros. Este evento é, sem dúvidas, um dos maiores acontecimentos da cidade e já recebeu cerca de 70 mil espectadores para viver a experiência de ver mergulhadores aventureiros e seus saltos acrobáticos.

 

 

Outras comemorações  que transformam a cidade são as festas religiosas que acontecem no verão. A mais importe é a Festa de San Vito, padroeiro da cidade. A Festa é realizada nos dias 14, 15 e 16 de junho. Confira o post com detalhes da Festa de San Vito https://www.vemprapuglia.com/2017/07/09/a-festa-de-san-vito/

 

Polignano, sendo pequena, possui poucas atrações e monumentos: o Museu de Arte Contemporânea Pino Pascali, a Ponte Romana, a Igreja Matriz, a orla e a Isola San Paolo, as prainhas e a estátua de Domenico Modugno, grande filho da cidade. Mimmo, como era chamado, foi um dos maiores cantores e compositores que fizeram a história da música italiana. Em 1958, ganhou o prêmio no Festival de San Remo (o mais importante festival da música italiana) com Volare (Nel Blu dipinto di Blu) que lhe rendeu vários prêmios no mundo inteiro. Impossível não cantar a música quando visitar a estátua,  “volare ôôô, cantare ôôôô… nel blu dipinto di blu… felice, di stare lassù…

 

 

Outra grande atração é a Abbazia di San Vito, onde funcionava o antigo porto de Polignano, no norte da cidade, que é o lugar preferido dos moradores para um passeio e um aperitivo. A Bacia oferece um cenário incrível com a Igreja de San Vito, construída por Mônacos no século IX e a torre de avistamento construída no século XVII. A igreja abre para culto somente aos domingos de manhã. Nos arredores de San Vito encontram-se ótimos restaurantes.

 

 

Outra opção em Polignano é o passeio de barco. Ver a cidade por outro ângulo, conhecer as lendas das grutas e fazer um mergulho próximo as falésias é, realmente, muito gratificante. O passeio de barco dura, em média, 2 horas. E você poderá fazer sua reserva com o blog Vem pra Puglia. Escreva para  info@vemprapuglia.com  e solicite maiores informações.

 

 

Enfim, você poderá visitar uma masseria nas redondezas, conhecer vinícolas com degustações de vinhos, saborear  laticínios da região (burrata, muçarela, stracciatella, ricotta), ter aulas de gastronômia ou viver uma experiência subaquática, alugar bicicletas, fazer excursões nas falésias… enfim, atividades não faltarão!

 

 

 

A pergunta que não quer calar: qual a melhor época para conhecer a Puglia? Os meses de julho e agosto são extremamente quentes, além de mais caro porque é alta temporada. Os meses de junho e setembro são os melhores porque é possível aproveitar o mar e as cidades não estão muito cheias. Abril, maio e outubro são meses bons mas incertos com relação a temperatura.  Vale também uma exceção: Natal! Se você quer respirar a atmosfera Natalícia, aqui é o lugar certo, mas ainda estarei escrevendo um post dando exclusividade para esta época do ano tão especial.

Polignano pode ser a base ideal para conhecer outras cidades nas proximidades como: Bari, Grotte di Castellana, Monopoli, Alberobello e se quiser se distanciar um pouco mais ao sul: Locorotondo, Martina Franca, Cisternino e Ostuni. E se você for do tipo que gosta de pegar estrada, não descarte um bate-volta até Lecce e Matera (na Região da Basilicata).

Decidiu conhecer a Puglia e quer ficar em Polignano?

Chegar em Polignano é fácil, de carro você pode chegar pela SS16. De trem, em Polignano tem a estação ferroviária, de ônibus, taxi ou se preferir contrate um serviço de transfer com o blog Vem pra Puglia.

As cidades que fazem fronteiras com Polignano a Mare são Monopoli, Mola di Bari e Conversano.

 

 

Gostaria de indicações de hotéis e restaurantes? Gostaria de um roteiro personalizado? Guia turístico? Motorista? Escreva-me e estarei feliz em ajudar e/ou organizar sua viagem.

Espero por vocês em Polignano a Mare!

2 thoughts on “Polignano a Mare, meu paraíso!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *