Itinerários //

Degustação de vinhos na Masseria Altemura

Texto de M. Cristina Recchia e fotografias de M. Cristina Recchia e Noeli Augusto

 

Desde a criação do blog Vem pra Puglia venho procurando aprender cada vez mais sobre vinhos, um grande atrativo para muitos admiradores de todo o mundo.

Aqui na Itália aprendi algumas coisas sobre aromas e qualidades de uvas mas até então eu nunca tinha participado de uma degustação de vinhos.  O meu conhecimento era somente de combinações clássicas como: o vinho branco que combina com peixes e o vinho tinto que combina com carnes e queijos até que alguns leitores do Vem pra Puglia que estavam planejando seus roteiros me perguntaram se eu poderia indicar alguma vinícola com degustação. A partir daí iniciei um estudo sobre vinícolas com degustações para indicar aos interessados.

Tive conhecimento  da Masseria Altemura através de uma leitora de São Paulo que também já colaborou com o blog descrevendo seu roteiro de viagem, a Emilia!

Um dia, ela me enviou a foto de uma garrafa de vinho com o seguinte recadinho: “Vinho excelente da Puglia! Encontrei em São Paulo e você precisa visitar o site deles!”

Curiosa, não perdi tempo porque era justamente o que eu estava pesquisando e uma das coisas que mais me chamou a atenção foi a variedade de opções interessantes:  desde a visita com degustação até o almoço harmonizado incluindo cooking-class (aula prática) de orecchiette, especialidade de macarrão pugliese.

Quando entrei em contato com a Masseria Altemura criou-se rapidamente uma sintonia e todas informações que obtive me convenceram a visitá-los brevemente para conhecer aquele lugar que já do site parecia fantástico.

Depois de indicar  a Masseria Altemura para alguns leitores e receber deles um retorno positivo, finalmente, chegou a minha vez  quando recebi a visita de algumas amigas que queriam participar de uma degustação de vinhos na região.

 

 

A Masseria Altemura  localiza-se no território de Torre Santa Susanna e de Oria, no coração da península do Salento e muito próxima  às cidades de Brindisi e Manduria (está última, é  considerada a Capital do vinho primitivo). De Polignano a Mare até lá, é necessário pouco mais de 1 hora de estrada o que ajuda para um bate-volta ou uma parada para quem vai do centro ao sul (e vice-versa) da Puglia. A estrada é boa e bem sinalizada.

 

 

Nossa visita estava marcada para às 11 horas e quem nos recepcionou foi a Giulia Lopez, pessoa fundamental que desde os meus primeiros contatos, sempre foi gentil e esclarecedora.

Nós escolhemos o tour nr. 2: visita mais degustação com 4 seleções de vinhos com aperitivos típicos da Puglia.

 

 

À nossa espera uma grande mesa dentro de uma das salas da antiga masseria pronta para o início da degustação com deliciosos aperitivos: queijo pecorino, azeitonas verdes típicas, azeitonas pretas picantes, focaccia, tarallo, um delicioso capocollo (uma especialidade pugliese com um sabor delicado muito parecido com a copa) acompanhariam a degustação.

 

 

A Giulia iniciou a degustação fazendo-nos sentir muito à vontade e contando um pouco da história daquela propriedade de origem antiga que lembra uma de nossas fazendas pelas suas plantações e pelo casarão principal. A Masseria Altemura foi construída para garantir a proteção de colonos de assaltos de bandidos  durante a dominação aragonese no século XVI e a torre é uma das suas caracteristicas principais que servia para vigiar as redondezas e enviar mensagens através de pombos.

Em 2.000, a Masseria Altemura tornou-se propriedade da  família Zonin e hoje  representa uma das mais importantes adegas italianas e uma das pioneiras  também no âmbito internacional.

A família Zonin desde 1821 cultiva vinhas e produz uma grande variedade de vinhos de ótima qualidade e em  1921 nasceu a ZONIN1821,  uma empresa que distribui vinhos finos e prosecco com a marca Zonin de dez propriedades familiares e a Masseria Altemura é uma delas.

A Família Zonin acreditou que a posição geográfica da Masseria era  favorável para o cultivo da videira e isso contribuiria para uma expansão da viticultura pugliese.

São  mais de 270 hectares de propriedade, dos quais 130 são vinhas e 40 são oliveiras que garantem uma produção de sucesso respeitando o meio ambiente e a arquitetura original.

 

 

Depois de conhecer a história daquela grande propriedade passamos à degustação iniciando pelo espumante gelado Rosamaro, um vinho espumante rosado que nasce da colheita de uvas negroamaro antes da sua maturação para render um sabor menos doce. O queijo tipo pecorino que nos foi servido para degustar esta qualidade de vinho espumante contribui para exaltar o seu sabor.

Seguimos com a degustação do Fiano, vinho branco elaborado com uvas plantadas em uma terra com sedimentos rochosos de calcário que garantem um sabor equilíbrado pela sua mineralização.  Harmoniza perfeitamente com peixes e frutos do mar, carnes brancas, queijos frescos e verduras.  Eu particularmente gostei muito deste vinho.

O terceiro vinho da degustação, o Sasseo, é um dos vinhos pugliese mais bem sucedidos no cenário internacional. Ele nasce como vinho Primitivo do Salento IGT, que garante a qualidade da localização geográfica. É excelente para acompanhar carnes vermelhas e queijos envelhecidos. Na degustação, para exaltar seu sabor a Giulia nos sugeriu de acompanhá-lo com o salame e o “cappocollo de maialle”.

O último vinho da degustação foi o Altemura DOC, que é o “carro chefe” da Masseria Altemura. As uvas para a produção deste vinho são plantadas em uma parte da propriedade da Masseria que se localiza em Manduria. São 5 hectares de solo  rico de rochas calcárias brancas que garantem a alta qualidade e originalidade Manduria. O Primitivo Altemura DOC harmoniza com pratos à base de carnes, frios e queijos.

 

 

Degustamos também fatias de pães regados com o olio extravergine d’oliva (azeite) das oliveiras da Masseria Altemura  e a cada diferente sabor dos aperitivos que nos foi servido,  pudemos notar  que o sabor do vinho se alterava com base no que estavámos saboreando.

 

 

Finalizada a degustação, acompanhamos a Giulia passando por uma parte dos vinhedos já marcados pela ação do outono. Encontramos em algumas parreiras alguns poucos cachos de uvas ainda íntegros com um sabor muito doce.

 

 

 

Chegamos então na  cantina da Masseria que foi projetada cuidadosamente para usar recursos locais extraídos de  energias renováveis que respeitam o ambiente natural e a comunidade em que nela vive  diariamente. Um delicado processo de produção sensível que respeita a tradição e usa técnicas naturais para  alcançar o estilo de vinho desejado.

 

 

 

 

A nova vinícola é uma  moderna estrutura de alto valor tecnológico inaugurada em 2012 que  está distribuída em uma área de dois mil metros quadrados, com capacidade total de dez mil hectolitros ou 600.000 garrafas de vinho por ano. As uvas e mostos são delicadamente pressionados em grandes tanques de aço inoxidável a uma temperatura que é severamente controlada para não alterar o aroma e o sabor .

Passamos em seguida para a adega onde a vinificação do suco das uvas vermelhas obedece  técnicas modernas, mas com um olhar para a tradição pugliesa. Longas macerações são realizadas a fim de se extrair todas as substâncias nobres que sempre foram utilizadas para garantir a qualidade do vinho. Na adega de envelhecimento, que possui capacidade de mil hectolitros, os vinhos tintos fermentam  silenciosamente em barris de carvalho eslavo e em barris de carvalho francês Allier.

 

 

 

A adega da Masseria Altemura foi projetada para preservar a sobriedade, o charme e o caráter da arquitetura do território pugliese. A escolha de materiais naturais foi embasada no desejo de não causar quaisquer alterações na paisagem ou na qualidade do vinho.

 

 

A nova adega  se utiliza de energia solar projetada com princípios recentes da bio-arquitetura e garantem uma estrutura funcional para aqueles que trabalham nela e, ao mesmo tempo, para quem as visita.

Enfim deu-se por encerrada nossa visita e nos dirigimos ao escritório para a compra  dos vinhos que degustamos.

 

 

 

 

Quero terminar este texto agradecendo imensamente a disponibilidade da Masseria Altemura em abrir suas portas para o Vem pra Puglia dando-nos  a confiança e oportunidade de mostrar aos nossos leitores o melhor da Puglia na sua beleza, tradição  e enogastronomia.

Vivi neste dia uma experiência incrível e agradeço a Giulia Lopez pela sua excelente condução ao nos explicar de forma esclarecedora cada passo da visita e da degustação.

Para maiores detalhes da Zonin1821 acesse: http://www.zonin1821.it/chi-siamo/azienda/

 

E para agendar uma visita com degustação na Masseria Altemura acesse: http://www.masseriaaltemura.it/tenuta/azienda ou escreva para info@vemprapuglia.com

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *