É a cidade onde nasceram meus pais e, na minha opinião, uma das cerejinhas da costa litorânea das terras de Bari e vou mostrar o por quê.

Monopoli, além da sua beleza tem muito a oferecer em termos de história, arte, cultura , gastronomia e  divertimento. Muitas são as hipoteses sobre a  origem do seu nome, mas a mais certa deriva do grego Monos-polis, que significa cidade única.

 

 

É também conhecida por suas 99 contrade (99 bairros), onde é possivel encontrar antigos casarões, masserias e igrejas rurais. Possui quase 50.000 habitantes e é  a cidade mais povoada do sul de Bari. Faz fronteira  ao norte com Polignano a Mare , ao sul com Fasano e Alberobello, a oeste com Castellana Grotte e Conversano e a leste com o mar Adriático.

Para conhecê-la melhor, sugiro começar pelo seu grande centro histórico, o que é um desafio: primeiro pelo perfuminho de “focaccia” (tipo uma pizza) que se sente logo pela manhã  e em segundo porque é um convite para se adentrar, literalmente, num grandíssimo labirinto onde perder-se pelas vielas  fará parte deste passeio.

As raízes de Monopoli estão no centro histórico. Lá encontra-se o porto antigo, o castelo, muitas igrejas inclusive secolares, a biblioteca, as pracinhas e os palácios que se contrastam com as casinhas pintadas com cal e enfeitadas com vasos floridos. Encontram-se numerosos arcos e quadros de Santos, especialmente a Mãe de Deus, venerada pelos habitantes, a Madonna della Madia,  a padroeira da cidade.

Também será fácil encontrar lojinhas de artesanato típico, mercearias que vendem especialidades da região, bares, restaurantes e bead&breakfast.

 

 

 

Vou começar este artigo mostrando o porto antigo que possui um cenário fascinante com muitos barquinhos característicos, de cor  azul, chamados de “gozzo”  e com o Castello de Carlos V. O porto é um convite para uma caminhada em torno ao farol do cais onde se pode sentir o frescor da brisa do mar.

 

 

 

Vale a pena entrar dentro do Castelo Carlo V que foi construído no ano de 1530, quando  Monopoli foi conquistada  pelos espanhois. O rei espanhol Carlo V comandou a sua construção como base defensiva da costa pugliese. O castelo é muito bem conservado e com entrada livre para visitação. Seu interno é um convite à imaginação que nos remete à realidade daquele tempo e seu terraço oferece um belo panorama da cidade. Hoje o castelo é utilizado para realização de eventos culturais entre outros.

 

 

 

Saindo do castelo, caminhei beirando o mar seguindo o “lungomare Santa Maria” até chegar ao “bastione Santa Maria” onde a presença dos restos de uma torre com 2 canhões chamou minha atenção. Seguindo o lungomare e entrando pelas vielinhas encontram-se outras igrejas antigas.

 

 

Saindo desta primeira etapa do centro histórico, voltei novamente ao porto e passei pela “Porta dell’antico porto” do século XV, e fui caminhando curiosamente pelas vielas.

Passei por muitas igrejinhas até encontrar a “Chiesa Ss. Apostoli Pietro e Paolo” e logo atrás dela o largo Palmieri com a grande “Chiesa S.Teresa e o Palazzo Palmieri. Algumas ruas parecem sem saídas e são como corredores, impressionante e impossivel não se perder.

 

 

Continuei a subir pelas vielas seguindo as placas para a “Chiesa  di S. Leonardo” que ao seu lado encontra-se “La Chiesa di San Leonardo e o Museo  della Confraternitá “.

 

 

Prosseguindo minha caminhada pelas vielas cheguei na grande “Chiesa Basilica Cattedrale e Santuario Maria SS. Della Madia”, construida em 1741. A Basilica abriga obras de artes de várias épocas , inclusive no sub-solo, recentemente abertos ao público.

Próximo à Basilica encontra-se o ”Museo Diocesano” onde pode-se admirar interessantes telas e bens artisticos de muita importância e o “Museo della Cattedrale” com restos arqueológicos.

 

 

O centro histórico de Monopoli possui sinais de arte de uma cidade que viveu na sua história uma importante posição de poder. Não é por acaso que lá se concentram um grande número de igrejas, quase uma do lado da outra. No mapinha que recebi no escritório de turismo, contei 29 igrejas, pequenas e grandes, algumas abertas para cultos e outras fechadas e o que mais impressiona são as datas de construção localizadas numa plaquinha de cor marron logo na entrada de cada igreja.

Saindo do centro histórico, prossegui  por uma estrada paralela com o nome de Via Luigi Cadorna, até chegar na  “Mura cinquecentesche”  que é a muralha que protegia o centro histórico de Monopoli. No final desta rua encontra-se a praia “Cala Porta Vecchia”.

 

 

A parte nova da cidade de Monopoli, ampliada sem medidas a partir dos anos 50, mudou o aspecto de algumas zonas do Borgo. De norte a sul a cidade oferece todos os serviços essenciais: meio de transporte público, lojas, mercados, escolas e etc.

Ainda hoje é uma cidade única e meta turística para muitos. O mar é o principal atrativo, mas não só isso. A antiga Monos-polis é capaz de enfeitiçar a todos com toda a  sua beleza, tradições e história.

Se entramos na parte interna da cidade, também chamada de  “campagna”, podemos visitar o jardim botânico Lama degli Ulivi que possue mais de 2000 espécies de plantas mediterraneas e provenientes do mundo, entre grutas e 2 igrejas rupestri. Mas sobre isso ainda devo trabalhar, por isso continue acompanhando o blog “Vem pra Puglia” para não perder outras informações sobre Monopoli e outras cidades vizinhas.

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *